A MELHOR SÉRIE DO UNIVERSO!!!!

Eu sou muito exigente com o que assisto e leio. Tem que me convencer na sinopse ou nos primeiros minutos. 

E como eu sou muito mais de ler do que assistir, pra alguma série me prender ao ponto de me ~obrigar~ a maratonar ela precisa ser muito além de boa. Precisa ser boa PARA UMA DEDÉIA*!!!!! 

No começo desse ano, eu tava assistindo televisão e vi uma série passando na Warner, episódio 2 da primeira temporada. Comecei a assistir (mesmo sem ter visto o piloto) e fui até o episódio 5. Parei de ver porque peguei bode de TV e eu não consigo lembrar a hora que os programas passam. 

Semana passada recebi a notificação de que uma nova série tinha sido acrescentada na Netflix. Imagine a minha surpresa ao ver que era aquela série lá do começo do ano e que tinha a primeira temporada completa! 

Pra quem me segue no twitter, me viu reclamando every day sobre a série estar dando erro e não querer carregar até que, magicamente, pegou e eu surtei. Corri pra assistir e me viciei. 

Tinham 23 episódios de 40 minutos que foram encerrados em 2 dias (considerando que eu ainda vi 2 filmes e dormi mais de 8 horas nos dois dias, foi relativamente rápido pra mim que sou enrolona pra caceta no quesito maratonar séries – estou na 4 temporada de Suits desde Julho). 

E, HOLY SHIT, que série boa do cacete!!!!!!!!!!!!!!!!! 

Menina, eu surtei em todos os episódios, xinguei todos os personagens (alguns mais do que outros), vibrei com alguns vilões, ri (de nervoso e alegria) e sofri. Como eu sofri, JESUS AMADO!!! 

Vocês devem estar se perguntando “Caceta, que raio de série que fez ela surtar tanto é essa?”. Aqui está a resposta: Blindspot.

Sinopse: A história começa quando Jane Doe (Jaimie Alexander), completamente sem memória, é em encontrada nua no meio da Times Square, em New York, com o corpo coberto de tatuagens recentes. E uma dessas tatuagens é o nome do agente do FBI Kurt Weller (Sullivan Stapleton). Agora, ele terá que desvendar os mistérios: Quem é essa mulher e o que significam suas tatuagens?

Se isso ainda não te convenceu, corre pra assistir o trailer da season 1 ou assista NO MINIMO o piloto. 

A segunda temporada estreiou e saiu um ep novo toda quarta-feira a noite. Se tu não é fluente em english, wait até quinta que tem uns sites que lançam o ep legendado.

E A SEGUNDA TEMPORADA TÁ UM BABADO ATRÁS DO OUTRO #dica

Preciso assumir que só fiz esse post porque preciso de mais pessoas fãs de Blindspot e Jeller/Jailly Shipper.

Um cheiro e um queijo. 

xx
*dedeia é uma palavra que eu inventei, eu acho. Comecei a usar ela do nada, mas significa o máximo do bom. É mais que foda, boa pra caralho e qualquer superlativo existente.

Anúncios

#CALAABOCAMUNDO AMADURECIMENTO

Esse será um post generalizado, porque 99,999999% das pessoas fazem isso e eu não tenho paciência pra ficar dizendo a cada segundo “claro, não é todo mundo que faz isso”. 

Ninguém nasce perfeito ou sabendo de tudo que é “certo” e “errado” na concepção da maioria. Portanto, TODOS estamos propensos a tropeçar durante o caminho do aprendizado. Por torpeçar, eu quero dizer “falar algumas merdas bem grandes”. 

Eu tenho certeza que você já soltou uma piada racista, homofóbica, machista ou preconceituosa de qualquer outro jeito – principalmente hoje em dia que tudo é preconceito, mas isso é assunto pra outro post. 

Só que você não fez por mal e eu tenho certeza que hoje você se arrepende de ter chamado algum amigo de viadinho porque ele quis ficar arrumando o cabelo um pouquinho mais. Ou de ter apelidado aquele amigo negro de preto ou pretinho ou negão e etc. 

E como você não sabia que isso era/é preconceito, ninguém pode te culpar por ter dito algo assim. É aquela coisa de “ninguém sabe oque faz/fala antes dos 18/16” ou “faz muito tempo isso, penso de maneira diferente hoje em dia”. 

Tivemos alguns casos recentes de pessoas que foram humilhadas e detonadas virtualmente por comentários preconceituosos feitos anos atrás. O (ex) MC Biel e a nadadora Joanna Maranhão. 

Outra certeza que tenho, é que em sua timeline do Facebook, Twitter ou Instagram deve ter aparecido alguém xingando um dos dois. Chamando eles de escória da humanidade, babacas e dizendo que é por pessoas como eles que o mundo está desse jeito. 

Mas também tenho certeza que essas mesmas pessoas cerca de dois atrás no Facebook, Twitter ou Instagram já deve ter ofendido alguém a troco se bala. Por motivos superfluos ou sem justificativa. 

Se você pegasse esses comentários ofensivos e xingasse essa pessoa das mesmas coisa que ela disse ao MC Biel ou a Joanna, ela diria o que? 

Provavelmente que amadureceu, que as pessoas mudam e que você não deve atacá-la por comentários antigos porque quem vive de passado é museu. 

Agora me responda, por que isso não deve valer ao Biel e à Joanna? Por que eles não merecem uma segunda chance? 

Acredito que as pessoas estão tão podres, que precisam derramar ódio ao primeiro que aparecer pela frente. Ao primeiro que lhe der um “motivo” cabível. 

E isso é ridiculo. 

Não estou aqui para defender ninguém, mas… Acho que todos merecem uma segunda chance e precisam amadurecer. Isso me inclui também. 

Essa é a palavra-chave do mês: AMADURECIMENTO. 

TATUAGEM

Eu nasci na igreja, continuo nela até hoje, sou batizada, acredito na Biblia e acredito em Jesus Cristo, mas isso nunca me impediu de gostar de tatuagens. 
Com 11 anos eu decidi que faria uma tatuagem. Com 13 eu comecei a esboçar onde faria e quais seriam. Com 14, cheguei a conclusão que não posso ter um desenho que achei bonito grudado em meu corpo. Tem que ser algo profundo, de extrema importância e que toda vez que eu olhar me lembre de um motivo por tê-la feito que não seja “que desenho bonito”.

Decidi que farei 3 tatuagens.

  • No post anterior, falei que uma música tinha me ajudado a decidir qual tatuagem eu faria. Essa música é I Was Here, da Beyoncé. 

Pra quem nunca ouviu ou leu a tradução, a música fala sobre ir embora mas fazer algo que todos lembre que eu estive aqui. 

A música também me ajudou a decidir minha profissão: médica. Quero viajar o mundo salvando pessoas e posso fazer isso sendo médica. 

Eu pensei em MUITOS lugares do meu corpo onde poderia fazer a tatuagem. Aliás, não achei nenhuma imagem de uma tattoo parecida com o que eu pretendo fazer. Vou escrever “i was here” no meu quadril. 

Você deve(ria) estar pensando: Mas tu só tem 15 anos, como quer fazer essa tatto? Nem da escola tu saiu ainda, te enxerga, guria. Eu pensei nisso também. E cheguei a conclusão de que só a farei depois que salvar uma vida. Ou seja, tem uns 10 anos pela frente ainda. 

  • Acho que não cheguei a comentar aqui, mas eu quero fazer trabalho voluntário. Quero fazer ações sociais de vários tipos e em vários lugares do mundo.

Não quero me limitar à minha cidade ou ao meu bairro, quero ajudar o mundo inteiro. (Isso é muito coisa de adolescente idealizadora que não conhece o mundo e as dificuldades da vida <leia isso com a voz de algum adulto frustrado que você conhece>)

Essa é mais uma tatto que não achei a foto na internet, mas que cou fazer mesmo assim. Bem embaixo do meu seio direito, vou escrever “make a difference”. 

  • Eu sou uma sereia. Tá pra nascer algo que eu ame mais que a praia, que o oceano, que o barulho das ondas, aquele vento com cheiro de mar… É maravilhoso. 

Eu acredito em tatuagens com significado. Dizem que a praia é um lugar de renovação. Já ouvi dizerem que o mar é tão sujo, porque as pessoas vão até ele se limpar. Que o banho de mar é a limpeza da alma e da mente. 

Eu acho isso lindo, porque sempre volto do mar renovada. Mesmo que a areia me irrite depois, eu adoro. 

Nada mais justo que uma tatto que me lembre esse “santuário” meu, no local onde tenho mais contato com o mar – no pé. 

SESSÃO SORVETE

Acho que todo mundo já ouviu a história de quando a mulher tá na bad ou TPM, ela come sorvete ou qualquer porcaria enquanto assiste um filme de romance triste.
Nunca tinha feito isso. Nem eu, nem minhas amigas. Aliás, nem filme de romance nós assistimos. Mas para tudo tem uma primeira vez.

Orgulho e Preconceito

image

Não tenho a minima ideia de quando ouvi falar em Jane Austen ou Orgulho e Preconceito, mas eu conhecia. Não fazia ideia de qual era a história, só sabia que era um clássico (livro velho) da Literatura Americana/Inglesa. Não gostos de clássicos, não consigo me imaginar lendo Dom Casmurro ou Dom Quixote, muito menos O Morro dos Ventos Uivantes (e, sim, eu já tentei!).
Mas aí minha amiga, Júlia, me falou do livro. E no mesmo dia decidiram comprar sorvete (de Sonho de Valsa, super indico, é muito bom MESMO!). Unindo o útil ao agradável, dei a ideia de assistirmos Orgulho e Preconceito enquanto comíamos sorvete.
Foi a melhor ideia que tive em anos, porque, MEU DEUS, que filme massa!
Ri e passei raiva o filme inteiro. Melhores personagens, melhores atuações, melhores paisagens, melhor romance, melhor filme, melhor TUDO! É realmente sensacional.
O Darcy é feio mas é bonito e fofo e uma gracinha e tem o sorriso maia perfeito de todos os tempos e é meio sarcástico e completamente apaixonado que faz de tudo pela mulher que ama e não desiste nunca e tímido e uma coisinha linda que eu tenho vontade de socar de tão nhonhonho que é. Enfim, acho que deu pra entender que ele é maravilhoso.
A Lizzie não é essas personagens submissas, que não pensam em nada que não seja dinheiro e um marido bonito. Aliás, ela é exatamente o coxontrár disso! Ela tem pensamentos muito atuais, quer ser independente, não pretende se casar por interesse, não abaixa a cabeça pra qualquer um… Ela é minha versão do passado, ou seja, claramente melhor personagem.
Minha única frustração foi ter assistido quase 2hrs de filme aguardando o momento em que eles finalmente iam ficar juntos (porque é Jane Austen e não Nicholas Sparks ou John Green que assassinam o casal e o sentimento de todo mundo que shippa), pra não ter um beijo.
2 HORAS DE FILME>>> BEIJO NENHUM!
Fiquei levemente recoltava mas o sorriso do Darcy apagou o sentimento.

Sr. E Sra. Smith

image

Todo mundo shippa esses dois. É impossível não shippar.
E esse é o único filme dos dois juntos. ALÔ HOLLYWOOD VAMO FAZER FILMES COM ESSES DOIS, POR FAVOR? AGILIZA AÊ!
Só que tem algo que a maioria não sabe (maioria lê-se eu): Eles não eram casados quando fizeram esse filme. Brad (super intima) era casado com outra, mas se separou depois que fez o filme.
Mais um caso da vida imitando a arte.
Agora pensa: Se os dois, não casados, já tinham essa química (louca e paranormal, do além do além… Biel <3), imagina o que eles não fariam casados? Por favor, ainda não entendi porque a Hollywood ainda não botou os dois no mesmo cast como casados. ALÔ HOLLYWOOD ME CHAMA PRA SER DIRETORA DO FILME!
Enfim, sou apaixonada pelos dois e pelo filme. É massa demais!

A Origem dos Guardiões

image

Não sei se vocês sabem, mas a comunidade Disneyática concordou que o Jack Frost tem que casar com a Elsa (Let it go, let it go). Quer dizer, a maioria. Tem aquela parte que quer ele e o Coelho da Pascoa juntos (esses a gente deleta).
Não, eu nunca tinha assistido A Origem dos Guardiões e… Que lindo. De verdade. Que filme maravilhoso.
Os filmes de criança são os melhores, né? Jack Frost 100% humano, com um passado triste e tocante. Sério, é um ótimo filme.
Tem uma moral maravilhosa, personagens hilários e não tem tanta fantasia. O Papai Noel é russo (sotaque muito fácil de reconhecer) e parece meio ex-mafioso. O Coelho da Pascoa é muito valente, me lembra cangurus e boxe. A Fada do Dente é toda atrapalhada, mas é um amor.
O Sandman (que eu nem sabia que existia) é uma fofura. Ele é tipo um gato, se você fizer carinho ele é manso, mas se tu pisar no rabo dele… Ele é o guardião mais importante e legal, na minha opinião.

Detalhe: todos esses filmes podem ser encontrados na Netflix.

FAVES

Não sei vocês, mas eu tenho uma grande dificuldade em escolher favoritos.
Tipo, não sei dizer qual meu cantor/cantora/banda favorito e não mudar em, no mínimo, 5 dias.
Mas eu tenho coisas que não consigo abandonar de maneira alguma. Algo que eu preciso ouvir/assistir/ler todo ano, morrer de nostalgia de verdade. Eu não assumo que são meus favoritos, mas estão na lista.
Esse post são sobre essas coisas.

Intelligence

image

Pensa numa série muito boa. É Inteligence.
Foi transmitida no Brasil ano passado pelo canal AXN, mas ela já tinha sido cancelada graças a baixa audiência nos EUA.
Tem apenas UMA TEMPORADA mas é a melhor.
Se você gosta de Once Upon A Time, a chapeuzinho vermelho é a personagem principal: Meghan Ory.
Se você gosta de Lost, o Sawyer é o principal: Josh Hollaway.

A história é assim: Um ex-fuzileiro naval tem um chip que controla tudo que tenha conexão via satélite (até o satélite ele pode comandar, se tiver na posição certa.). Algo tão importante não pode sair andando na rua como se não pudesse acontecer alguma coisa, portanto, pensando nisso, o presidente dos EUA indica um de seus guarda costas para cuidar do portador chip. No caso, Riley cuidar de Gabriel.
Só que ele é homem e, querendo ou não, homem tem essa coisa de proteger a mulher: O que causa muita confusão, já no primeiro episodio. Mas se você tá achando que a Riley vai se deixar ser tratada como donzela em perigo, está muito enganado. A bixa tem sangue no zói e não deixa o Gabriel fazer ela de protegida – o que causa muitas risadas e momentos totalmente AWWWWWWWWWN!.
Pra vocês entenderem o nível do amor que eu sinto por essa série (além de 2 ou 3 posts que já citei-a), eu li fics de Gabriley (o shipp deles 💕 e isso não pode ser considerado um spoiler, pode?) e vi TODOS os fanvídeos existentes no YouTube. Eu traduzi as fics pelo celular no Google Tradutor! É amor demais mesmo!

Naruto

image

Pra quem não sabe, sou grande fã do Naruto. Quando digo grande fã quero dizer que acompanho desde 2005!
Sou completamente apaixonada por essa história, por tudo o que ela me acrescentou – e foram muitas coisas.
Naruto começou como um desenho para crianças, não é a toa que passava no Bom Dia & CIA, né? Mas evoluiu muito.
O Naruto Shippuden é muito complexo, muito doloroso e nada para crianças. Muito sangue, muita dor, muita tristeza, muito ódio, muita vingança.
O Shippuden conta a história deles adolescentes tentando tirar um amigo do buraco. Alguém que não tem mais perspectiva de vida. Alguém que não quer ser ajudado, que abandonou o caminho da luz e está totalmente no lado das trevas. Parei com os spoiler filosóficos.
Enfim, eu re-assisto o Naruto Clássico todo ano. O Shippuden eu nunca consegui terminar, é muito grande! (Mas esse é o ano!) Tô assistindo o Clássico pelo Netflix (alô, Netflix, vamo botar as outras temporadas aí, porfa?) e assim que terminar começo o Shippuden deeeeeeesde o começo e vou até o fim, sem pular nadinha, prometo!

Séria A Arma Escarlate

image

Eu conheci A Arma Escarlate por divulgação da autora, Renata Ventura, no Skoob. Ela me mandou uma mensagem falando sobre o livro dela e eu fiquei curiosa.
Fui pesquisar e me deparei com um booktrailer sensacional e poucas resenhas mas incríveis.
Me apaixonei instantaneamente. Sou patriota demais, isso não é segredo pra ninguém, então deparar-me com uma versão brasileira de Harry Potter, com algo tão da raiz, foi um grande achado.
Li. Apaixonei-me. Achei-me.
MEU DEUS, QUE LIVRO SENSACIONAL!
A coisa que eu mais faço pós A Arma Escarlate é citar esse livro. Eu quis virar Capí, quis me tornar Pixie, precisava que todos com quem convivo descobrissem essa história e se apaixonassem pelos pensamentos ali apresentados. Aliás, quero tudo isso ainda hoje.
“Me indica um livro?” Claro, já ouviu falar em A Arma Escarlate?
É o que mais acontece de 2014 pra cá. Eu PRECISO ler, pelo menos, duas vezes no ano.
E, sim, isso inclui a continuação A Comissão Chapeleira que é três zilhões de vezes melhor que o primeiro – e isso é algo EXTREMAMENTE memorável.

image

Você, fã de Harry Potter, pare de perder tempo lendo o restante desse post e vá AGORA atrás dessas histórias. Você não vai se arrepender.
Você, brasileiro cansado de ver histórias que não retratam a pobreza que só quem vive sabe como é, não perca seu tempo lendo o resto desse post, vá AGORA ler estes livros. É exatamente o que você procura.

Cinquenta Tons de Cinza

image

Hoje em dia ainda é polêmico falar sobre Cinquenta Tons de Cinza. Aliás, é ainda mais polêmico hoje em dia com essa guerra entre feminismo e machismo.
Sim, eu gosto de Cinquenta Tons de Cinza. Não, não sou masoquista, sadomasoquista, não quero um homem agressivo, mandão ou que bata em mim.
Eu, particularmente, não gosto do desenrolar do primeiro livro. Acho extremamente ridículo os personagens. Acho Anastasia uma personagem mal construída.
Mas isso muda nas últimas 5 páginas, quando ela toma uma atitude. É como eu costumo dizer “Leia as últimas páginas e os próximos 2 livros, é só o que importa”.
A história que existe SIM por trás de todo sexo é exatamente como eu gosto. Suspense, ação, clichê, romântica, dramática.
Por favor, que mulher não quer um cara que faria TUDO por você? Que se preocupa e protege de qualquer coisa? Estou em busca de um cara assim, por favor, mandem-me se o encontrarem.
Faz dois anos que quebrei os pré conceitos que eu era presa. Julgamentos e hipocrisia são coisas fora do meu cotidiano hoje em dia. Novamente, OBRIGADA A ARMA ESCARLATE!
Li a trilogia completa e me apaixonei. Christian Grey não é um monstro, não é um leão. Ele é um gato bem manso, mas se você pisar no rabo dele, ele te arranha.
É um livro apaixonante e se você nunca leu por causa de toda a fama ruim, todas as críticas que existem por aí, leia e tire suas próprias conclusões.

Isso tudo são coisas que eu não consigo viver sem. Não dá pra não fuxicar em algo deles durante o ano.

ALÔ ALÔ BRASIL

image

Eu tô com vergonha de mais uma vez aparecer aqui com desculpas por promessas que não foram cumpridas. Mas, realmente, a culpa não é 100% nossa. Infelizmente não somos maiores de idade e não temos nosso próprio dinheiro, portanto nossos desejos e vontades nem sempre se concretizam.
O ano de 2015 foi muito menos conturbado do que o ano de 2014, mas ainda enfrentamos problemas e dificuldades – entre elas um bloqueio descomunal na criatividade para posts, principalmente resenhas. Eu li cerca de 100 livros em 2015, mas não consegui fazer  nenhuma resenha decente.
Então, perdão.
Perdão por ter sumido sem dar explicações, por ter ficado tanto tempo sem fazer um post (bom ou não) e por ter não ter postado mais vídeos. 
Ter um vlog é mais difícil do que parece, principalmente quando se tratam de duas pessoas com vida fora da internet agitada e com horários que raramente batem, especialmente quando a necessidade é gravar algo.
Pensei em desistir (novamente), pensei em recomeçar do zero em outro domínio, outro servidor… Mas perdi muito tempo “conquistando” o temos aqui (é pouco, mas significativo) para simplesmente copiar os posts e “atualizar” algumas coisas em outro lugar.
Vamos continuar aqui, mas isso será uma versão 2.0, assim como nós somos. 
De 2014 pra cá, muita coisa mudou. Nossos pensamentos, princípios, modo de ver a vida, gostos e opiniões sobre diversos assuntos. 2015, em especial, foi um ano de decisões, superações e redescobertas. Nos reencontramos no mundo e agora somos pessoas novas. 
O intuito inicial, ao criarmos esse universo alternativo, era mostrar o que quatro meninas que se consideravam rebeldes e diferentes de todas as outras existentes na face da Terra (bem coisa de adolescente mal comida, admitimos.) achavam do mundo e o quanto a amizade delas era fantástica, eterna e maravilhosa. Bom, as coisas mudaram. O blog surgiu em um momento crucial e a partir do momento em que ele começou a se desenvolver, os problemas foram surgindo conforme ele crescia. E conforme os prolemas surgiam, nós nos desenvolvemos interiormente.
Ele pode não ter importância para quem não fez parte dessa história, mas quem viveu e acompanhou tudo sabe a importância que ele teve em nossas vidas. 

Desejamos um feliz ano novo e que você continue seguindo em frente e se descobrindo mais a cada dia.

[LIVROS] E-books ou físicos?


Hoje a moda é ter um e-reader. 
Ok, ok. É mais prático, não pesa, você não precisa “gastar” dinheiro, menos árvores cortadas e etc. 
Mas, será mesmo que vale a pena deixar o prazer de carregar aquele livro que você tanto ama, que tem tooooooodas as suas anotações/quotes/rabiscos pra todos os lados? 
Confesso que não sou uma pessoa ALUCINADA pela internet, que não consegue viver sem entrar no instagram/twitter/facebook/tumblr/snap/ou-o-que-for (Aliás, não reclamo de estar sem celular há dois anos), por mais irônico que isso possa parecer – já que eu tenho um blog -, e talvez esse seja um dos motivos que me impedem de abrir mãos de ter a minha estante cheia de livros, de gastar dinheiro com eles (Por mais que meu coração aperte a cada nota “dada” ao vendedor).
Não vou ser hipócrita de condenar quem tem e-reader ou quem prefere ler e-books, até porque eu sou pobre e a maioria dos livros que eu leio são emprestados e, durante as férias, eu aproveito pra ler livros que nenhum dos meus amigos tenha e faço o que? Baixo pela internet. É simples, fácil e rápido, é verdade. MAS não tem o mesmo gosto de se ler algo que tá nas suas mãos, que você sente o peso/cheiro, que vê as páginas que faltam e etc. E as bibliotecas, como ficam nessa história?



O fato é: O capitalismo e a tecnologia infiltram-se cada vez mais no mundo, mas será que vale a pena eles estragarem esse mero prazer? 
Sou a favor de e-books em caso de livros que não foram traduzidos oficialmente para o português, que a publicação aqui no Brasil já tenha sido vetada ou esteja muito longe de acontecer. Nesses casos eu sou a pessoa MAIS A FAVOR DO MUNDO!! Mas, se for por “pão-durice”, sou contra. 
Enfim, não vamos deixar a tecnologia acabar com um prazer dos leitores, POR FAVOR!

Cinco posts (4 posts e 1 vídeo) que falam sobre o assunto: 


~~ Queen